Os objetos que destralhei e fizeram TODA A DIFERENÇA no meu quarto

Olá, tudo bem com você? Caso seja sua primeira vez no blog, meu nome é Carolina, eu tenho esse blog desde 2015 e aqui falamos sobre muitas, muitas coisas!

Eu comentei no stories do Instagram (caso você não me siga, corre lá, @carolinahaine) que fiz um mega destralhe no meu quarto. Os motivos são vários, mas o principal deles, não vou mentir, é que não quero ser uma pessoa muito cheia de coisas. Penso em viajar, me mudar de casa, e acho um pouco repudiante a ideia de manter um verdadeiro memorial na casa dos meus pais.

Por isso, listarei a vocês quais os objetos que destralhei e fizeram a maior diferença no meu quarto. Não só eu tenho muito mais espaço sobrando, mas as superfícies ficaram muito mais limpas e agradáveis ao olhar. E por isso compartilhei com vocês como fiz esse destralhe e dicas de como adaptá-lo ao seu quarto. Confira:

Cadernos e papéis

Esse era o objeto VILÃO E RESPONSÁVEL pelo caos no meu quarto. Como toda pessoa apegada em papelaria, eu gastava muito dinheiro em cadernos chiquérrimos estilo Moleskine todos os anos. Meus cadernos da faculdade eram todos impecáveis e eu tinha tantos entulhados por toda a parte. Sem contar os papéis avulsos, xerox e apostilas que acumulei ao longo desses seis últimos anos. Além disso, desde 2003, eu tenho o hábito consistente de manter um diário (hoje em dia, esse diário é muito mais um bullet journal e listas de pensamentos do que o tradicional “meu querido diário”).

Eu fiz o seguinte: tudo que era relacionado ao meu curso, desenhos, etc… Joguei fora. Isso, nem olhei o que era, joguei fora. Durante muito tempo, eu achava que eu ia revisitar esses materiais, mas a verdade é que não vou. Tenho uma porção de livros para consulta, minhas pastas no Evernote e no Dropbox repletas de anotações, não preciso dessa papelada toda. Doei as apostilas para o centro acadêmico da universidade. Os diários eu guardei, pois de vez em quando gosto de relê-los e me rendem boas risadas. (:

Sapatos

Eu mantinha no meu armário uma porção de sapatos inadequados para mim. Sandálias que arrebentaram, sapato com a sola se desfazendo, chinelos tão velhos que a gravura já tinha sumido… Além de sapatos que eu usei uma vez na vida em 2011 e depois disso nunca mais. Obviamente, o que estava em bom estado foi para doação. O que não estava em bom estado foi para o lixo. Nessa brincadeira, eu esvaziei quase que pela metade a minha sapateira, mantendo comigo 25 pares de sapatos. Estava orgulhosa de mim e achei que era um número bem baixo, mas muitas pessoas me falaram que é muito!! Fiquei curiosa, quantos pares de sapato você possui? Por favor comenta aqui embaixo!

Roupas

O meu maior problema com roupas era uma categoria imensa e complicada: ROUPAS QUE EU GANHEI DE ALGUÉM MAS NÃO GOSTO E NUNCA USAVA MAS GUARDAVA POR CONSIDERAÇÃO A QUEM ME DEU. Tive que me desapegar bastante dessa mentalidade para conseguir separar essas roupas para doação. Simples: a vida é muito curta para ocuparmos espaço (e tempo, e dinheiro…) com coisas que não nos dão satisfação e saúde mental. Olhar para aquela pilha de roupas que eu não gostava e sabia que nunca iria usar me entristecia muito. E agora essas roupas serão muito bem aproveitadas por pessoas que realmente precisam e vão usar.

Além disso, eu tinha uma gaveta INTEIRA na minha cômoda de roupas que eu não gostava. Um absurdo, né? Sempre pensava “essa roupa que eu não gosto vou usar em casa”. Mas eu nunca usava em casa. A verdade é que minhas roupas de “ficar em casa” são meus pijamas mesmo. E tá bom assim. Não vejo sentido em guardar um monte de roupa que acho feia. Até meus pijamas são cuidadosamente escolhidos por mim. (;

Maquiagem

Eu tenho muita maquiagem. Embora eu não costume sair maquiada, é um hobby para mim colecionar e testar produtos. Gosto principalmente de testar base, como toda cidadã brasileira, mas acumulei tantas ao longo do tempo que eu precisaria de uns dez rostos para usar em tempo hábil. Além disso, algumas eu nunca gostava de usar pois não estavam no tom certo para a minha pele. Chamei algumas amigas (é importante que sejam pessoas conhecidas, pois mesmo que eu tivesse usado poucas vezes o produto, é meio estranho dar um produto usado pra quem você não conhece), expliquei a situação de cada produto e elas toparam receber a doação.

Coisas sem categoria que estavam apenas ocupando espaço

Meu quarto era repleto de bibelôs daqueles que alguma tia deve ter me dado de presente em 2005 e ficava ali pegando poeira. Tiaras de cabelo que eu usei duas vezes na vida mas ainda estavam lá. Celulares velhos, CDs e DVDs que eu nunca mais vou ver e não tenho apego emocional nenhum, canetas que já não escreviam mais, etc etc. Era tanta tranqueira que eu não tinha nem noção. A maioria dessas coisas acabei jogando fora mesmo, pois muitas estavam até quebradas.

E talvez você agora esteja se perguntando. Legal, fiz o destralhe. Mas e agora, COMO organizar? Bom… Esse será o assunto do próximo post! Então fiquem ligados e não percam.