Resenha: Orient Express (Tea Shop)

Sextou, galera! E sexta-feira pede um bom chá, então venho com mais uma resenha para vocês: o blend Orient Express da Tea Shop.

O chá de hoje me acompanha há um bom tempo – comprei o saquinho de 100g em janeiro e ainda não acabou! Dessa forma, descobri que 50g na verdade não é tão pouco quanto eu pensava. Foi uma surpresa bem positiva, considerando que chá a granel aqui no Brasil é caaaaaaro.

Lembrando que você sempre pode conferir aqui as resenhas de chá anteriores.

O que você precisa saber na hora de preparar seu chá verde

O chá verde é o meu favorito devido ao seu sabor delicado e a versatilidade em se tornar um chá gelado delicioso e refrescante. No entanto, é o chá mais complicado de preparar. Costumo dizer que as folhas de chá verde são “temperamentais” e que você deve “tratá-las com carinho”. Faz sentido, né?

A temperatura da água não pode estar fervendo. O que costumo fazer e dá certo é desligar o fogo assim que pequenas bolhas começarem a se formar no fundo da panela. Ao contrário do chá preto, que exige temperaturas de cerca de 95ºC, o chá verde entrega sua melhor performance com a temperatura de 70ºC.

Não só a temperatura do chá verde é mais baixa, como o tempo de infusão também. O tempo recomendado é de dois minutos, e acredite, faz toda a diferença. Já conversei com muitas pessoas que diziam odiar o chá verde por ser amargo, e nesse ponto, todas deixavam a infusão passar de dois minutos. Acredito que até três minutos o sabor fique tolerável, mas depois disso, o chá fica amargo e intragável. Um chá verde bem preparado jamais fica amargo, então recomendo prestar bastante atenção nessa parte.

Orient Express: sabor e aroma orientais

O Orient Express, segundo o fabricante, possui casca de laranja, pedacinhos de maçã, pétalas de rosa, canela e cravo. Isso torna esse blend intenso e marcante, especialmente pela canela na composição. Eu jurava que esse chá tinha gengibre, porque ele sempre me pareceu muito energizante, mas as especiarias contidas nele fazem um ótimo trabalho.

O chá verde, por conter cafeína, não é recomendado para ser consumido à noite. No entanto, o teor de cafeína de um chá verde é muito mais baixo que um chá preto, por exemplo. Nunca tive grandes problemas ao tomar esse chá à noite, e olha que não posso tomar nada de café por ficar muito acordada. Gosto muito desse chá pelo sabor e principalmente pelo aroma, que é algo muito marcante nessa mistura e realmente remete ao oriente.

O Orient Express pode ser adquirido em lojas físicas Tea Shop ou por esse link.

Nota: ★★★★☆

Resenha: White Kiss (Tea Shop)

Sim, ela voltou! A coluna de resenha de chás que eu fazia no meu blog antigo, há quatro anos atrás, está de volta. Caso você queira ler os posts antigos da categoria, clique aqui.

O fato é que muita coisa mudou desde então. Conheci chás novos e descobri a bênção dos chás a granel, que preservam o sabor mais puro das folhas. Os chás de saquinho são produzidos com o farelo dos chás a granel, o que os torna menos saborosos e enfraquecidos com relação às propriedades antioxidantes.

Chá ou infusão?

Eu já contei para vocês em um post a diferença de chá e infusão. O chá é o nome popular da planta Camellia sinensis, logo, só pode ser considerado chá (oficialmente) as bebidas que provém dos diferentes tipos de fermentação dessa planta. Como exemplos, temos o chá preto, chá verde, chá branco, chá vermelho e chá oolong (também conhecido como chá azul). Mas é claro que, aqui no Brasil, chamamos praticamente qualquer bebida infusionada de chá. Eu mesma acabo chamando tudo de chá, pra não beirar o pedantismo desnecessário. rs

White Kiss: sabor, propriedades e mais

O White Kiss, como diz o nome, é um chá branco, logo, pode ser consumido também à noite. O chá branco é produzido com as folhas mais jovens de Camellia sinensis, as quais praticamente não sofreram oxidação. Por esse motivo, ele é o chá mais isento de cafeína. Quanto ao White Kiss, ele é enriquecido com o sabor do morango, que casa perfeitamente com a delicadeza do chá branco.

Eu pessoalmente vinha sonhando com o dia que poderia comprar esse chá, porque o valor dele é um pouco salgado. Felizmente, ganhei o saquinho de presente da minha madrinha, e estou extremamente agradecida por isso. Esse chá tem um sabor perfeito para ser tomado à noite, para relaxar depois de um dia longo e cansativo, sem correr o risco de ficar ligado no 220 pela cafeína.

Esse é um chá que eu recomendaria a quem não é acostumado a beber chá. O sabor é doce e frutado, mesmo sem a adição de açúcar ou adoçante. Aliás, essa é uma coisa que eu mudei completamente de 2014 para cá. Não consigo mais beber nenhum tipo de chá ou café adoçado, o que é incrível para o meu paladar.

Você pode comprar o White Kiss nas lojas físicas da Tea Shop ou no site, clicando aqui.

Nota: ★★★★★

O emblemático silêncio das blogueiras

Não é preciso muito para perceber o caos instaurado no país nesse momento. Época de eleições, um momento decisivo para a manutenção ou a perda total de direitos dos brasileiros. Todos ou quase todos os usuários de internet nesse momento, seja lá qual for o posicionamento político, estão se manifestando intensamente em suas redes sociais. No entanto, existe uma classe de pessoas que parece não viver nesse mesmo Brasil de desigualdade social, de intolerância, de inclinação ao fascismo. Para elas, só existe as comprinhas em Miami, os recebidos da Sephora, os vídeos de tour por lojas da 25 de março. Isso mesmo, estou falando das blogueiras, ou como costumam chamá-las atualmente, digital influencers ou criadoras de conteúdo.

Claro que para toda regra há sua exceção, e uma ótima que posso citar aqui é a Carol Barreiros, conhecida na internet como It Falida. A paraense, que atualmente reside em São Paulo, fez uma maquiagem incrível, a qual ela mesma definiu como uma “saída do armário” de seu posicionamento político. Dias depois, em seu InstaStories, ela fez uma enquete perguntando o que seus seguidores achavam do famigerado silêncio das blogueiras nesse momento tão delicado. A maioria repudiou essa atitude. Fica então o questionamento: se o público quer saber o que suas blogueiras favoritas pensam, e isso inclui o pensamento político delas, por que esse silêncio todo?

Existe uma frase comumente dita em situações as quais opta-se por manter o status quo: “em time que está ganhando, não se mexe”. Claro que isso não vale para mim, para você e nem para a esmagadora maioria dos brasileiros. Mas por que uma blogueira, pertencente às classes A ou B, com viagens patrocinadas ao exterior e lucros que vão muito além do que a classe média imagina, abriria a boca nesse momento? Não é preciso muito para saber o que esse silêncio significa: conformidade, apoio velado ao fascismo, despreocupação com as classes sociais menos favorecidas. Em algumas situações, era até preferível o silêncio, como foi o caso de Lala Rudge. A socialite publicou em seu InstaStories uma série de imagens e textos expondo sua visão preconceituosa, retrógrada e elitista. Ela, assim como outras blogueiras, perdeu parcerias com marcas como Tiffany & Co, que optaram por não ter sua imagem vinculada a tais declarações.

Na contramão dessa tendência nefasta, com seu canal que ultrapassa os dois milhões de inscritos, a confeiteira Danielle Noce, juntamente com seu marido Paulo Cuenca, reiterou várias vezes em seu Instagram o repúdio ao candidato fascista e suas ideias retrógradas. O apoio entre os seguidores foi grande, mas a rejeição também. Ambos, porém, deixaram bem claro que tais seguidores não fariam falta. Uma atitude louvável, claro, mas que deveria ser muito mais normalizada do que de fato é. Por que, para cada “Dani Noce”, existem cinquenta “Lala Rudges” no armário?

É extremamente decepcionante ver pessoas com voz ativa, que poderiam falar por nós, se virando contra nós. Angela Davis disse que, numa sociedade racista, não basta não ser racista. É necessário ser antirracista. O mesmo se aplica a quaisquer outras situações de injustiça social. Está mais do que na hora de exigirmos representatividade. Afinal, nossa audiência não pode se resumir a sustentar recebidos de maquiagem e viagens patrocinadas.

 

Cinco produtos caros na farmácia que valem cada centavo

Oi, internet. Tudo bem com vocês?

O post de hoje é mais uma dica de amiga – acredite se quiser! Esses cinco produtos não são mirabolantes nem impossíveis de achar. Na verdade, são produtos extremamente usados por qualquer ser humano no cotidiano – e talvez isso torne a dica ainda mais legal. Gostaria de explicitar que a noção de preço é muito subjetiva, e o que é caro para mim, pode ser perfeitamente acessível para você. Dito isso, vamos às considerações:

Desodorante Ban

Esse desodorante custa na faixa de uns 30 reais, o que o torna um pouco mais caro que os produtos na categoria. Mas, na verdade, o custo benefício dele é MUITO melhor! O primeiro que eu comprei durou mais de um ano, o que é incrível para um desodorante. Além disso, ele é extremamente eficaz e protege bem. Essa minha versão é a Unscented, ou seja, sem cheiro. Mas há outras versões com cheiro que também são agradáveis. O cheiro não é forte nem incomoda.

Protetor Solar Minesol Oil Control

Protetores solar não costumam ser muito baratos, então já é esperado desembolsar um certo dinheiro nesse tipo de produto. Esse, o Minesol, custa em torno de 75 reais. É um pouco mais caro que protetores mais baratos, como Nivea, Avon ou L’Óreal. Mas o investimento vale super a pena, especialmente se sua pele for oleosa. Esse produto é tão sequinho que você nem sente que está com protetor depois de aplicá-lo.

Gel de Limpeza Cleanance Avène

Eu achava que o item de pele de maior investimento deveria ser o hidratante, que sabonete facial qualquer um serve. Paguei a minha língua ao testar este aqui. É o melhor sabonete que já usei e foi a única coisa que deu jeito nas minhas espinhas. Antes, mesmo com a minha rotina super regrada, elas sempre vinham dar o ar da graça. Este sabonete custa 50 reais nesse tamanho de 150ml, mas vale a pena esperar por promoções.

Escova de Cabelos Tangle Teezer Thick & Curly

Mais uma coisa que eu achava que era frescura, que não ia funcionar com cabelo cacheado, que era um “pente do vovô” gourmet. Novamente, estava muito enganada. Essa escova é a melhor coisa que já passou pelos meus fios. Ela custa cerca de 70 reais, um absurdo para uma escova de cabelos! Mas vale cada mísero centavo. De verdade. Se seu cabelo embaraça muito, você vai se apaixonar por ela. O desembaraçar com ela fica tão absurdamente fácil – e essa que vos fala passava cerca de meia hora só para desembaraçar o cabelo. É o produto mais caro desse post, o que pode assustar quem lê, mas acreditem em mim e não vão se arrepender.

Escova de Dentes Curaprox

Novamente, mais um produtinho revolucionário. Essa escova custa cerca de 35 reais, o que é um valor bastante alto se compararmos com as escovas de dentes mais conhecidas do mercado. Porém, as cerdas dela são tão macias que sua boca jamais aceitará outra coisa. Uma vez, tive que fazer uma viagem e acabei não levando a minha querida Curaprox. Foram as três semanas mais torturantes da vida, com cerdas duríssimas arranhando minha gengiva. Já testei também a escova da Sensodyne e é uma ótima versão mais barata para quem não quer desembolsar tanto dinheiro para escovar os dentes.

Com essa, me despeço aqui. Espero que as dicas tenham sido úteis a vocês. Contem para mim nos comentários qual é o produtinho de farmácia que você não vive sem!

Abraços,

Carol