Todas as minhas Bíblias

CHEGOU O DIA! Tivemos, nos últimos meses, a conversão de dois ícones pop, Kanye West e Carolina Haine. E, como vocês têm em primeira mão o contato com essa que vos fala, acabei de fazer uma categoria nesse blog para assuntos ligados a Cristianismo. Para começar a falar sobre isso, não posso deixar de mostrar as minhas amadas e tão utilizadas Bíblias.

Eu sempre gostei muito de ler. Desde que eu tenho 14 ou 15 anos, não consigo lembrar de algum momento em que eu estivesse sem ler nenhum livro. A “culpa” (do bem, claro!) é dos meus pais. Desde que eu era criança, ficar sem ler não era uma possibilidade. Meu pai sempre me perguntava “que livro você está lendo?”, e ai de mim se não tivesse resposta. À minha mãe, atribuo o melhor incentivo de todos, o financeiro. Se eu pedisse alguma roupa, bolsa ou maquiagem, ela dizia não. Se eu pedisse livros, poderia ser um valor muito maior que o valor de outros objetos, mas ela sempre comprava todos. E o simples hábito de leitura, que os meus pais construíram em mim desde cedo, sempre me beneficiou em muitos momentos. Se eu estou interessada em aprender algum assunto novo, eu até consumo conteúdos como vídeos e podcasts, mas a leitura de um livro SEMPRE vai ser prioridade.

Esse hábito de leitura foi uma bênção, pois acho que eu fui a nova convertida mais empolgada por leitura que você consegue imaginar. Não só li muitos livros cristãos (inclusive, meu muito obrigada à Joyce e Jenny pela paciência, pelo amor e por me emprestarem livros), mas fui direto na fonte. Uma das reclamações mais recorrentes sobre a leitura da Bíblia é a linguagem arcaica. Eu mesma achei por um momento que iria paralisar diante do texto e não entender nada. Para essas pessoas, eu dou a dica de ter mais de uma tradução disponível, assim, você pode comparar o que está escrito e isso facilita muito o entendimento.

Bíblia Ave Maria

Apresento a vocês a minha primeiríssima Bíblia! Quando eu comprei, não fazia nem ideia de que tradução era um negócio todo importante. Literalmente escolhi porque a capa era rosa. Resultado: comprei uma edição que ninguém gosta, nem os meus amigos católicos. kkkkk

Para não deixar a pobrezinha em desvantagem, eu gosto muito do papel dela. O papel usado nas Bíblias católicas em geral me agrada muito mais. É uma folha amarela, em contraste com a folha branca das edições protestantes. Além disso, ele é um pouco mais amigável de rabiscar. Não, nenhuma Bíblia vai permitir que você use marca-texto. Nem tom pastel. Eu tentei e não deu certo. Mas aquele modelo em gel da Faber-Castell é perfeito, uso em todas as minhas Bíblias e não atravessa a folha. Outra coisa que eu gosto muito de usar é caneta gel pastel para sublinhar.

Eu gosto bastante da linguagem usada nessa tradução, me lembra um pouco a famosa Almeida Revista e Atualizada. Só fiquei um pouco triste que ninguém usa essa Bíblia além de senhorinhas fazendo devocional em casa, então não adianta levar pra missa nem culto.

Bíblia NVI Bilíngue

A minha segunda “biblinha” foi um presente de Natal de eu mesma para eu mesma. É ÓBVIO que eu iria comprar uma edição em inglês, né? E quando eu vi essa capa, me apaixonei na mesma hora. Colei uns adesivos porque ainda tava nessa vibe da customização, mas acho que hoje eu não colaria nada nela. Ela é muito linda, minimalista, amo.

A tradução NVI não é a melhor de todas, mas eu achei o máximo que ela seja “equivalente” da NIV e quis mesmo assim. Além disso, eu estava frequentando os cultos da Bridges Church, uma igreja internacional aqui em Brasília. (Inclusive, saudades! Amo essa igreja)

Eu sou apaixonada por essa Bíblia e ela sempre me ajuda, pois uma das minhas dificuldades no começo da caminhada cristã era traduzir o famoso “crentês” para os meus irmãos na fé americanos. Então, por mais que a tradução seja coloquial demais para uso nas igrejas, é uma ótima ferramenta de estudo e devocional. Além disso, começar a ler a Bíblia em português já é difícil, eu não iria conseguir ir direto para uma King James.

Bíblia Almeida Revista e Atualizada

Depois de um mês nessa jornada lendo a Bíblia (a jornada cristã em si começou um pouco antes, se vocês quiserem, eu posso fazer um post contando o meu testemunho), é claro que uma hora eu senti falta de ter a versão mais lida e conhecida: a Almeida Revista e Atualizada. João Ferreira de Almeida é o cara responsável pela tradução da Bíblia em português, mas confesso que eu nem sabia que a versão “original” do trabalho dele era a Almeida Revista e Corrigida. A Almeida Revista e Atualizada é uma versão levemente mais amigável de ler.

Todas as igrejas protestantes que eu conheço (tá bom, todas é um número extenso demais) utilizam no culto a Almeida Revista e Atualizada. A exceção fica por conta de algumas igrejas pentecostais, como a Assembleia de Deus, que usa a Almeida Revista e Corrigida. A minha Almeidinha foi comprada direto da fonte, a SBB, e é uma edição extremamente simples. O papel é fininho, como daqueles exemplares de Novo Testamento que os Gideões distribuem nas escolas. A melhor parte é que eu paguei apenas 10 reais nela. DEZ REAIS! Por um livro de capa dura. Achei muito digno. E fiquei feliz com o preço também, afinal, se tem uma coisa que eu descobri durante esse tempo é que Bíblia é um negócio caro.

Bíblia A Mensagem

Essa Bíblia é a definição do SÓ DEUS PODE ME JULGAR. E Deus provavelmente nesse momento está me julgando. Todo mundo está me julgando. Você que está lendo este post neste exato momento está me julgando. Mas tudo bem, eu deixo. Em doses homeopáticas.

A Mensagem na verdade não deveria se chamar bem uma Bíblia, mas é um projeto que gosto muito. O livro trata-se de uma adaptação, uma tradução parafraseada, do pastor Eugene Peterson. Eugene, em seu ministério, sentia muita dificuldade em instigar nos fiéis a vontade de ler e interpretar as Escrituras. Pelo o que pude perceber lendo esse livro, Eugene Peterson não quis apenas trazer a Bíblia em uma linguagem contemporânea, mas tornar o texto bíblico algo poético e que faça sentido de ser lido como um livro comum.

O resultado disso para mim? EU AMEI. Mas é claro que a leitura de A Mensagem não substitui e jamais substituirá a leitura da Bíblia de fato. Como recurso extra, gosto bastante. Não pode ser o único recurso, mas acredito que o livro nem se proponha a isso, visto que o autor coloca um pouco de sua própria visão no texto.

Bíblia de Estudo NVT

Em 2018, 9 em cada 10 crentes recomendavam a tradução NVT. A Roberta Vicente, uma das minhas youtubers favoritas, sempre usava a versão NVT em seus vídeos. A premissa de ser um texto em linguagem contemporânea, porém fiel às Escrituras, me deixou completamente inquieta até que eu pusesse as minhas mãos nele. E, felizmente, ganhei dos meus padrinhos essa linda e luxuosa versão de estudo.

Essa é a minha primeiríssima Bíblia de estudo, então eu quis adquirir a versão que todos estavam dizendo ser completíssima. Vi reviews que falavam que era a mais completa Bíblia de estudo em português. Se isso é verdade, eu não sei… Mas estou muito feliz com ela. Ela contém mapas, concordância, notas de rodapé completíssimas, introduções bem elaboradas e até sugestões de leitura.

A tradução NVT me conquistou muito para uma função um tanto específica: evangelizar a família e amigos rs. Se eu abrisse uma bíblia Almeida e lesse para algumas pessoas, elas simplesmente rolariam os olhos e ignorariam o meu comentário. Mas, quando eu leio na NVT, as pessoas ficam surpresas de como é fácil entender o Evangelho. A NVI até cumpre bem esse papel, mas eu concordo com as pessoas que dizem que a NVT é mais fiel ao texto original.

E, além disso… Essa é a capa de Bíblia mais linda do mundo! Não há o que questionar.

Bíblia de Jerusalém

Ok, a partir daqui, teologia deixou de ser uma “brincadeira” e começou a ficar sério. Primeiro porque eu criei raízes na minha atual igreja, a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil. E aí adquiri uma Bíblia que, embora ecumênica, é usada praticamente por católicos.

Eu não sabia ainda qual era a tradução usada nos cultos. Daí fui descobrir que em alguns lugares é a NTLH e, na catedral que eu frequento, a Edição Pastoral. Descobri, porém, que em São Paulo eles utilizam a TEB (Tradução Ecumênica Brasileira), que nunca li, mas só de ser ecumênica me parece uma boa escolha.

A Bíblia de Jerusalém é uma amada e idolatrada, salve salve. Une todas as tribos que nem o Norvana. Assim como a NVT de estudo, traz concordância, notas de rodapé e introduções belíssimas. Na verdade, ela é uma tradução da tradução, e sempre me deixa meio bugada como é que a ~melhor tradução da Bíblia~ para o português é uma tradução do francês.

Bíblia Pastoral

Aqui com a famigerada Bíblia da discórdia. Comprei por dois motivos: o primeiro era a curiosidade de saber se as notas de rodapé eram tão ruins assim. O segundo motivo era para acompanhar o culto na igreja.

As notas de rodapé são um tanto bizarras. Seguem a teologia da libertação, que na teoria é legal, mas chega um momento que o autor delas parece querer chutar o balde e te falar “olha colega larga esse livro e vai ler Marx”.

A tradução em si é boa, e fico feliz que a escolha da catedral seja pela Pastoral em vez da NTLH. Como diz o nome, Pastoral, é uma tradução muito amigável para evangelizar e coordenar grupos de jovens. O equivalente protestante dessa Bíblia seria a NAA ou a NVT.

O material dela e da Bíblia de Jerusalém são exatamente os mesmos, da capa à folha amarelada que muito me agrada.

The Green Bible NSRV

E agora chegamos à minha primeira Bíblia em inglês que foi de fato publicada no exterior. Essa é a The Green Bible, uma edição ecológica com capa de tecido e frases em verde destacadas ao longo do texto. Eu ganhei ela de uma pessoa muito especial, a Rachel (não sei se ela está lendo esse post com um tradutor, mas, Rachel, thank you so much for everything!). Conversando sobre a minha dificuldade de traduzir alguns termos igrejeiros para o inglês, eu disse que queria muito saber qual tradução em inglês era boa para estudar a Bíblia. Eis que ela gentilmente me cedeu a Bíblia que ela tinha consigo.

A Green Bible é produzida na tradução NSRV, que descobri ser a tradução usada pela Episcopal Church (igreja anglicana nos EUA). Não sei se todas seguem um padrão ou se é como aqui no Brasil. Sei que na Inglaterra a tradução oficial é a King James. Eu que lute para conseguir ler a Bíblia no inglês de Shakespeare.

Bíblia Verdadeira Identidade NAA

Ok, já tinha Bíblia de todo tipo: católica e protestante, erudita e coloquial, de estudos ou simples, em inglês e em português. Não precisava de mais nenhuma, né?

Confesso que quem plantou em mim a sementinha do “preciso dessa nova Bíblia” foram as meninas do Bible journaling. Essa Bíblia tem espaços dos lados que são ótimos para escrever ou desenhar. Para mim, a parte de escrever já vai ser uma ajuda e tanto nos estudos.

A tradução dela, Nova Almeida Atualizada, é uma atualização da atualização da Almeida Revista e Atualizada. Pelo o que li até agora… Estou apaixonada nessa tradução. Acho que gosto mais dela até que da NVT. É, novamente, uma tradução mais contemporânea sem distorcer completamente a essência bíblica.

Além da Verdadeira Identidade, temos no mercado brasileiro a Sua Bíblia NVI da Thomas Nelson (que é linda, mas eu não queria mais uma NVI).

E acabou… Ufa! Por enquanto. Eu poderia fazer um outro post inteiro sobre Bíblias que quero mas ainda não adquiri.

Espero que meu post tenha acrescentado algo na sua vida!

Abraços,
Carol

Porque você deveria adquirir um coletor menstrual

Oi, tudo bem com você? Acho que, a partir daqui, você já me conhece, né? Meu nome é Carolina e esse é o meu blog, que tento manter o mais diverso possível, contrariando todas aquelas táticas para ter visualizações.

Hoje eu quero falar sobre um assunto que mudou a minha vida enquanto mulher e me trouxe muito mais conforto e segurança: coletor menstrual. Muitas mulheres torcem o nariz para ele e acham que é nojento, mas eu garanto que com esse texto farei você mudar de ideia, ou ao menos refletir mais sobre esse assunto!

O que é o coletor menstrual?

O coletor menstrual é um copinho feito de silicone medicinal, completamente reutilizável, que deve ser inserido na vagina formando um vácuo entre o canal vaginal e o meio externo. Esse vácuo é o responsável por toda a graça do negócio, como por exemplo:

  1. Dê adeus ao odor de menstruação

O absorvente convencional, interno ou externo, faz com que o nosso sangue entre em contato com o ar. Esse contato gera bactérias responsáveis pelo odor desagradável da menstruação. Como o coletor menstrual cria um vácuo entre o canal vaginal e o meio externo, o sangue não entra em contato com o ar e o mau cheiro não existe. Pode dar adeus também aos cachorros que ficam loucos com esse odor da menstruação.

  1. Exercícios físicos liberados

Academia, piscina, corrida, tudo liberado. Uma das premissas do absorvente interno era permitir o uso na piscina e em demais atividades físicas, mas na verdade ele não funcionava tão bem assim. Como o absorvente interno é basicamente um pedaço de algodão no canal vaginal, ele absorve absolutamente tudo, incluindo a nossa tão saudável lubrificação natural. Por isso, o seu uso não é tão adequado (ainda que, na minha opinião, mil vezes melhor usar um absorvente interno que uma “fraldinha”). Com o coletor menstrual, mais uma vez, seus problemas acabaram: ele não absorve nada, apenas coleta, e o vácuo permite que você pule, nade, rodopie feliz e tranquila sem vazamentos.

  1. ATCHIM!

Sabe a sensação de espirrar e descer uma cachoeira? Para mim, é uma das piores sensações do mundo! E, mais uma vez, coletor menstrual se mostra incrivelmente superior. Graças ao vácuo, ao espirrar, não vaza nada.

E, se essas informações ligadas ao sensorial ainda não te conquistaram, tem mais! Confira:

Economize dinheiro e recursos naturais

A economia de dinheiro com um coletor menstrual é incrível! Claro que é um investimento um tanto alto de uma vez: o coletor menstrual custa entre 70 e 90 reais. Mas mesmo assim, sempre há promoções na internet e a possibilidade de parcelar. Uma mulher geralmente gasta, em média, de 20 a 30 reais por mês em absorventes. Se o absorvente for interno, essa conta pode ir até a 40 reais. E o coletor, por ser reutilizável, pode ser usado por até CINCO ANOS! Já fez as contas, né?

Além da economia pessoal de dinheiro, é uma economia para o nosso planeta. O absorvente é feito de dois principais materiais, o algodão e o plástico. Pelo seu fator higiene, não é reciclável e seu tempo de decomposição leva bons milhares de anos. Ou seja, o primeiríssimo absorvente usado, na década de 1930 ou 1940, ainda está na natureza em algum lugar, poluindo nosso ecossistema. O coletor menstrual é uma alternativa muito mais ecológica, que praticamente não produz resíduos e pode ser facilmente higienizado com água fervente.

E agora? Conquistei você, certo? Se eu não te conquistei com o coletor menstrual, não tem problema! Ainda existe mais uma opção ecológica e sustentável pelas lojas, que é a calcinha absorvente. Essa calcinha é produzida com um tipo de tecido tecnológico que não vaza e diz minimizar os odores. Eu queria muito testar, mas confesso que o preço ainda não é muito acessível.

O coletor menstrual, porém, tem um preço que se paga ao longo dos anos. Eu adquiri o meu primeiro coletor em 2015 e fui trocá-lo depois de quatro anos, no mês passado. Usei, até então, duas marcas, e pretendo contar para vocês no próximo post a minha experiência com elas.

Agora eu quero saber de vocês: vocês usam coletor menstrual? Já sabiam das dicas? Qual a sua opinião sobre eles?

Os objetos que destralhei e fizeram TODA A DIFERENÇA no meu quarto

Olá, tudo bem com você? Caso seja sua primeira vez no blog, meu nome é Carolina, eu tenho esse blog desde 2015 e aqui falamos sobre muitas, muitas coisas!

Eu comentei no stories do Instagram (caso você não me siga, corre lá, @carolinahaine) que fiz um mega destralhe no meu quarto. Os motivos são vários, mas o principal deles, não vou mentir, é que não quero ser uma pessoa muito cheia de coisas. Penso em viajar, me mudar de casa, e acho um pouco repudiante a ideia de manter um verdadeiro memorial na casa dos meus pais.

Por isso, listarei a vocês quais os objetos que destralhei e fizeram a maior diferença no meu quarto. Não só eu tenho muito mais espaço sobrando, mas as superfícies ficaram muito mais limpas e agradáveis ao olhar. E por isso compartilhei com vocês como fiz esse destralhe e dicas de como adaptá-lo ao seu quarto. Confira:

Cadernos e papéis

Esse era o objeto VILÃO E RESPONSÁVEL pelo caos no meu quarto. Como toda pessoa apegada em papelaria, eu gastava muito dinheiro em cadernos chiquérrimos estilo Moleskine todos os anos. Meus cadernos da faculdade eram todos impecáveis e eu tinha tantos entulhados por toda a parte. Sem contar os papéis avulsos, xerox e apostilas que acumulei ao longo desses seis últimos anos. Além disso, desde 2003, eu tenho o hábito consistente de manter um diário (hoje em dia, esse diário é muito mais um bullet journal e listas de pensamentos do que o tradicional “meu querido diário”).

Eu fiz o seguinte: tudo que era relacionado ao meu curso, desenhos, etc… Joguei fora. Isso, nem olhei o que era, joguei fora. Durante muito tempo, eu achava que eu ia revisitar esses materiais, mas a verdade é que não vou. Tenho uma porção de livros para consulta, minhas pastas no Evernote e no Dropbox repletas de anotações, não preciso dessa papelada toda. Doei as apostilas para o centro acadêmico da universidade. Os diários eu guardei, pois de vez em quando gosto de relê-los e me rendem boas risadas. (:

Sapatos

Eu mantinha no meu armário uma porção de sapatos inadequados para mim. Sandálias que arrebentaram, sapato com a sola se desfazendo, chinelos tão velhos que a gravura já tinha sumido… Além de sapatos que eu usei uma vez na vida em 2011 e depois disso nunca mais. Obviamente, o que estava em bom estado foi para doação. O que não estava em bom estado foi para o lixo. Nessa brincadeira, eu esvaziei quase que pela metade a minha sapateira, mantendo comigo 25 pares de sapatos. Estava orgulhosa de mim e achei que era um número bem baixo, mas muitas pessoas me falaram que é muito!! Fiquei curiosa, quantos pares de sapato você possui? Por favor comenta aqui embaixo!

Roupas

O meu maior problema com roupas era uma categoria imensa e complicada: ROUPAS QUE EU GANHEI DE ALGUÉM MAS NÃO GOSTO E NUNCA USAVA MAS GUARDAVA POR CONSIDERAÇÃO A QUEM ME DEU. Tive que me desapegar bastante dessa mentalidade para conseguir separar essas roupas para doação. Simples: a vida é muito curta para ocuparmos espaço (e tempo, e dinheiro…) com coisas que não nos dão satisfação e saúde mental. Olhar para aquela pilha de roupas que eu não gostava e sabia que nunca iria usar me entristecia muito. E agora essas roupas serão muito bem aproveitadas por pessoas que realmente precisam e vão usar.

Além disso, eu tinha uma gaveta INTEIRA na minha cômoda de roupas que eu não gostava. Um absurdo, né? Sempre pensava “essa roupa que eu não gosto vou usar em casa”. Mas eu nunca usava em casa. A verdade é que minhas roupas de “ficar em casa” são meus pijamas mesmo. E tá bom assim. Não vejo sentido em guardar um monte de roupa que acho feia. Até meus pijamas são cuidadosamente escolhidos por mim. (;

Maquiagem

Eu tenho muita maquiagem. Embora eu não costume sair maquiada, é um hobby para mim colecionar e testar produtos. Gosto principalmente de testar base, como toda cidadã brasileira, mas acumulei tantas ao longo do tempo que eu precisaria de uns dez rostos para usar em tempo hábil. Além disso, algumas eu nunca gostava de usar pois não estavam no tom certo para a minha pele. Chamei algumas amigas (é importante que sejam pessoas conhecidas, pois mesmo que eu tivesse usado poucas vezes o produto, é meio estranho dar um produto usado pra quem você não conhece), expliquei a situação de cada produto e elas toparam receber a doação.

Coisas sem categoria que estavam apenas ocupando espaço

Meu quarto era repleto de bibelôs daqueles que alguma tia deve ter me dado de presente em 2005 e ficava ali pegando poeira. Tiaras de cabelo que eu usei duas vezes na vida mas ainda estavam lá. Celulares velhos, CDs e DVDs que eu nunca mais vou ver e não tenho apego emocional nenhum, canetas que já não escreviam mais, etc etc. Era tanta tranqueira que eu não tinha nem noção. A maioria dessas coisas acabei jogando fora mesmo, pois muitas estavam até quebradas.

E talvez você agora esteja se perguntando. Legal, fiz o destralhe. Mas e agora, COMO organizar? Bom… Esse será o assunto do próximo post! Então fiquem ligados e não percam.

Minha rotina de cuidados com a pele atualizada

Olá, internet! Há dois anos, eu compartilhei aqui com vocês a minha rotina de cuidados com a pele. Infelizmente, o Photobucket retirou todas as fotos que pus no ar, então não tem como visualizar as fotos desse post.

Segue o post… Mas já adianto que a minha rotina mudou porque eu acabei investindo mai$$ nela. Vou fazer um comparativo do produto atual e do anterior, explicar as diferenças entre eles, etc. Vem que tá babado (:

Limpeza e Tônico

Esse é um passo que eu mudei drasticamente na minha rotina, e para muito melhor. Começando com o amor da minha vida e estrela do post, o Sabonete Facial Cleanance Avène. Esse sabonete é caro… Esse tamanho de 155g custa de 40 a 50 reais, mas vale a pena porque rende bastante. O cheiro e a textura são maravilhosos, o produto limpa bem mas gentilmente, não deixa a pele repuxando e mudou o aspecto da minha pele quando eu comecei a ter muitas espinhas. Só amores, recomendo a todos, 10/10.

A Água Micelar Needs também é um produto que me deixou apaixonada. Antes dela, eu já usei água micelar Avon, Nivea e até Ruby Rose. Ainda não usei a água famosa da L’Óreal, mas acho que me encontrei nessa da Needs. Não sinto mais necessidade de testar outras. Ela foi a única água micelar até agora que limpou a minha pele sem deixar aquele aspecto grudento de água micelar no rosto. Sem contar que é bem barata, acho que esse vidro de 200ml foi cerca de 20 reais.

O Tônico Equilíbrio Nutritivo Nivea para pele normal a seca foi uma grande evolução, em comparação ao tônico anterior da Neutrogena. Para ser sincera, o da Neutrogena era puro álcool, acabei jogando fora depois de alguns usos. Esse da Nivea é bem melhor, tanto que já estou no meu segundo frasco. É um tônico que limpa a pele sem repuxar. Recomendaria a todos os tipos de pele também, acho que uma pessoa de pele oleosa se beneficia mais com um bom sabonete de limpeza e um tônico suave.

Cuidados Diurnos

O Protetor Facial Multibenefícios Avon é um protetor solar okay, com um custo benefício ótimo. Ele não é o meu favorito (na época, eu usava o Minesol Oil Control, que é o meu favorito até então), porque não é tão sequinho assim, mas é um bom protetor solar. O Minesol é bem mais caro.

Os séruns da Bruna Tavares BT Detox e BT Mermaid são incríveis e fazem toda a diferença. O BT Detox é indicado para peles com acne e ele realmente ajuda a reduzir e a prevenir o surgimento de espinhas. O BT Mermaid também, apesar de ser apenas um ótimo sérum de hidratação que contém ácido hialurônico. Aliás, ácido hialurônico é o meu novo composto preferido, e vocês vão ver muitos produtos aqui com esse ingrediente.

O melhor sérum com ácido hialurônico até agora, na minha opinião, é o No Drama Lhama da Cat Make. Esse sérum tem um altíssimo poder de hidratação, tanto que costumo usá-lo e dispensar o hidratante. Ele deixa a pele super macia e é um ótimo primer para antes da maquiagem. A desvantagem, na minha opinião, é o preço. Esses séruns da Cat Make antigamente custavam por volta de 30 reais. Agora você não os encontra por menos de 40. Ah, e ainda tenho meu receio com a marca por terem expressado apoio ao Biroliro.

Cuidados Noturnos

Gostaria de dizer a todos que esse creme noturno da Renew Clinical Defesa e Reparação é a minha mais recente descoberta em skincare. Estou usando há poucas semanas (e para ser honesta, não estou muito consistente no uso). NO ENTANTO, é um produto mágico. Novamente, temos a presença do maravilhoso ácido hialurônico. Esse creme deixa a pele uma seda, é quase como o sérum da Cat Make em uma versão turbinada. Por isso mesmo, a Avon recomenda que o uso desse creme seja noturno. RECOMENDO DEMAIS!!!!!!!!!

O último produto também estava na resenha anterior e é um que eu vou amar para o resto da minha vida. Trata-se do Huile Prodigieuse Nuxe. Esse óleo é multifuncional e pode ser usado no rosto, corpo e cabelo. Eu uso apenas no rosto, pois é caro demais para conseguir usar de outras formas. kkkkk Mas vale muito a pena! Esse vidro grande custa caro, acho que é 150 ou 200 reais, mas a miniatura custa 40 reais e dura bastante tempo. Recomendo a compra da miniatura, caso você queira saber se o produto vale a pena ou não. Ah, e claro, sempre há a possibilidade de ir numa Sephora testar pessoalmente.

E você, quais os seus produtos de skincare do coração? Comenta aí! (: