Cosméticos baratinhos, digital influencers e ética no trabalho

Oi! Ultimamente o foco do meu blog tem sido falar sobre cosméticos, tanto maquiagem quanto skincare, então acho que esse post sobre cosméticos baratinhos vai ajudar muita gente a se situar por aqui. Se você não me segue ainda no Instagram (@carolinahaine), eu sugiro fortemente que você siga para aproveitar o conteúdo desse blog como um todo. Estou sempre por lá interagindo e pedindo sugestões a vocês.

Nenhuma blogueira é igual a outra, e não só porque pessoas têm vivências e opiniões diferentes, mas também por imensas estratégias de mercado, e dentre elas, o nicho. Embora você acompanhe milhares de blogueiras, eu tenho certeza que algumas devem vir à sua mente quando pensamos em assuntos mais específicos, como “pele negra“, “mercado de luxo“, “baratinhos da 25“, e por aí vai.

Em 2016, quando a Ruby Rose causou uma verdadeira revolução no mercado de maquiagem, as blogueiras finalmente abriram os olhos e passaram a enxergar uma população que carecia de produtos bons e com valores realmente acessíveis. Quantas vezes você já não abriu um vídeo de “baratinhos acessíveis” e a moça do vídeo mostrou uma base de 70 reais? Acessível para quem? A sensação é de que vivemos um mundo completamente paralelo a dessas pessoas. Mas não se engane, porque opinião é sim comprada, e isso é nítido quando vemos blogueira que virou famosa com vídeos de baratinhos usando apenas Benefit ou Urban Decay após os primeiros 500 mil inscritos.

As classes C e D compôem boa parte do público consumidor de beleza, e assim como as classes A e B, são ávidos por novidades e por resultados imediatos. Afinal, quem precisa pensar se compra uma base ou se paga o gás não tem tempo e muito menos dinheiro para testar várias “baratinhas” e ver no que dá. Ir ao shopping testar a sua cor? Com a vendedora e o segurança te olhando como se você fosse roubar algo? Parece uma piada. E a partir daí, vimos várias blogueiras que almejavam apenas o mercado de luxo mudando de estratégia e começando a fazer verdadeiros vídeos caricatos de “make da baciada“, “testando baratinhos“, com sacolas de 100 a 200 reais que elas praticamente usariam uma vez e jogariam no lixo. Porque dar “desapegos” de produtos usados às suas seguidoras não é caridade. É irresponsabilidade, é literalmente dar migalhas a um público que carece de recursos.

Mas então você deve estar se perguntando. Então, que tipo de atitude deve ser tomada? Quais produtos valem ou não a pena? Quais blogueiras seguir? E eu volto à questão anterior. Procure o nicho que você mais se identifica, observe se o conteúdo tem autenticidade e honestidade, ou se é só mais uma oportunista tentando conquistar por meio de jargões e gestos escandalosos. Procure alguém que tem vivência ou conhecimento acerca do assunto tratado. Uma blogueira com pele seca ao testar uma base matte e dizer que não transfere pode induzir muitos consumidores de pele oleosa ao erro. Um influencer que faça desafios de make da baciada está claramente dizendo a seu público que o produto que eles economizam o mês inteiro para comprar é praticamente descartável nas mãos dele.

Eu, Carolina Haine, estou ciente que possuo alguns privilégios, e sei que muitas das coisas que eu compartilho são inacessíveis ou muito difíceis de comprar para muitas pessoas. Mas essa é a minha realidade, eu sou uma consumidora exigente e eu pondero várias coisas antes de colocar ou não um produto no meu carrinho de compras. Eu demorei muitos anos para poder me entender como consumidora, o que funciona ou não para mim, e de que forma eu quero passar isso ao mundo. Tenho muitas coisas caras, mas porque elas costumam durar muito mais, mas também tenho muitas coisas baratas onde eu vejo que não há necessidade de gastar tanto. E aqui nesse blog, que carrega meu nome e sobrenome, o que prevalece é a minha experiência, e eu nunca vou falar mais alto que um profissional da área enquanto mera consumidora de classe média de 24 anos.

Eu já passei muitos e muitos anos comprando coisas porque estavam na promoção ou querendo ter todos os “achadinhos” do momento. Mas isso só me distraía do real foco e me fazia me perder enquanto consumidora. Nesse sentido, a finalidade dos canais de beleza e das mídias sociais pode ser bem tóxica, porque estamos sempre insatisfeitos e buscando algo diferente para comprar. E é por isso que, com toda a franqueza, eu digo que o meu objetivo aqui não é te mostrar o produto mais barato. O meu objetivo é te mostrar como ter a melhor experiência possível com uma seleção de produtos e passos enxuta. Eu acredito que um bom produto que nos permita múltiplos usos, a longo prazo, seja mais sustentável e agregue mais experiências positivas.

Se você está acompanhando o meu blog e gostaria de ver algo específico aqui, não deixe de comentar. Até mais!

Comments

comments

Carolina Haine

24 anos, brasiliense, apaixonada por literatura e chá. Criou um blog em 2004 e desde então nunca mais parou.

Deixe uma resposta